Você está aqui: Capa / Artigos / A Importância do Jejum para o Cérebro

A Importância do Jejum para o Cérebro

Nossa mente funciona bem ou mal dependendo da saúde de nosso cérebro. A alimentação tem que ver com nosso humor e comportamento, porque ela afeta o cérebro devido aos nutrientes, saudáveis ou não, que vêm do alimento que ingerimos.

Estudos têm mostrado que o jejum ajuda o cérebro, além do corpo como um todo. Jejum é um meio excelente para nosso organismo se recuperar de estresse físico e mental. O jejum pode ser feito um dia por semana, o que seria ótimo para a saúde.

Uma experiência com um tipo de rato mostrou que os ratos que comiam regularmente e sem jejum viviam 500 dias, enquanto que os que foram colocados num jejum de um dia por semana, vieram 750 dias.

Escolha um dia da semana para seu jejum. Claro que não há nenhuma obrigação em fazer todas as semanas. E há opções de jejum. O mais benéfico para a saúde, em pessoas sem problemas endócrinos como diabetes, etc., seria o jejum total no qual a pessoa ingere somente água ao longo daquele dia. Uma segunda opção é o jejum de sucos na qual você toma um suco à cada 3 horas, começando 7 da manhã e indo até 7 da noite. Intercalando com suco de frutas (pode usar mais de uma fruta no mesmo suco) e suco de verduras. Às 7 da noite você pode, se quiser, tomar um caldo (sopa de legumes rala, líquida).

Outra modo de fazer jejum de um dia é comer somente frutas frescas. Neste caso tome três refeições de frutas ao dia, manhã, tarde e noite. Use frutas variadas, podendo incluir milho cozido (sem colocar sal, manteiga ou azeite), tomate crú e azeitonas.

O jejum aumenta o processo de autofagia nas células do sistema nervoso em nosso corpo. Ou seja, estas células reciclam o “lixo” (radicais livres, toxinas) e fazem reparação delas. Quando algo impede a autofagia, ocorre neurodegeneração, prejudicando o cérebro.

Há uma proteína chamada BNDF – Brain-Derived Neurotrophic Factor – ou Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro, que interage com neurônios (células do sistema nervoso) em áreas cerebrais como hipocampo, córtex, lobo frontal e pré-frontal (área nobre do cérebro onde funcionam as funções de raciocínio, memória, aprendizado, inteligência, etc., chamadas de “funções executivas). A BNDF ajuda os neurônios a sobreviverem enquanto estimula o crescimento de novos neurônios (neurogênese) e o desenvolvimento de sinapses (linhas de comunicação entre os neurônios).

Experiências com animais de laboratório com sintomas semelhantes a Doença de Alzheimer, mostraram que baixos níveis de BNDF estavam presentes. Ao dar-se aos animais suplemento de BNDF, houve melhora da morte neuronal, da perda da memória e do prejuízo cognitivo.

O neurocientista, Dr. Mark Mattson, do Instituto Nacional do Envelhecimento, nos Estados Unidos, verificou que o jejum intermitente pode induzir a neurogênese (produção de novas células do sistema nervoso central) e proteger contra prejuízos e doenças cerebrais. Dr. Mattson desenvolveu a ideia de uma dieta que ele chamou de “dieta 5:2”, que significa comer quantidade normal de comida saudável por 5 dias na semana e comer somente uma pouca quantidade (500 a 600 calorias) durante dois dias semanais. Os benefícios para a saúde geral com esta opção são grandes.

O mais comum tipo de AVC – Acidente Vascular Cerebral – é o isquêmico (88% de todos os derrames cerebrais). Neste tipo de AVC um vaso que leva sangue para o cérebro fica bloqueado por um coágulo. Sem sangue na região, não chega ali oxigênio e outros nutrientes, e pode ocorrer dano cerebral. Em modelos animais de AVC, o jejum regulou a proteína BNDF e outras proteínas neuroprotetoras, reduzindo a mortalidade e inflamação cerebral, aumentando a cognição.

Parece que na depressão a BNDF está diminuída no cérebro dos deprimidos. Vale à pena um deprimido tentar fazer um jejum e observar. Alguns estudos com deprimidos que foram privados do sono, se observou uma melhora. E provavelmente privar o deprimido de algumas poucas refeições num dia possivelmente ajudará o cérebro a funcionar melhor para ajudar na recuperação da depressão.

_______

Dr. Cesar Vasconcellos de Souza – www.doutorcesar.com.br

 

Sobre Cesar Vasconcellos de Souza

Scroll To Top